Soundtrack: Fifty Shades of Grey

Cinquenta Tons de Cinza, baseado no primeiro livro da trilogia Fifty Shades, da escritora britânica E.L. James, é um fenômeno lucrativo em filmes rated R atualmente. Só aqui no Brasil, levou mais de 1 milhão de pessoas em sua primeira semana em circuito, mesmo que seja raro encontrar críticas positivas acerca do filme. Só mesmo sua trilha sonora está saindo ilesa de toda a repercussão negativa, lembrando Crepúsculo, em que a trilha era mais interessante que a história vampiresca.

Ao tocar o álbum, começa com uma sofisticada interpretação de Annie Lennox para o clássico de 1956, ‘I Put a Spell On You’. Na parte mais sexy, faixas como ‘Earned It’, de The Weeknd e as duas faixas de Beyoncé, ‘Haunted’ e uma versão arrastada de ‘Crazy In Love’. Na parte mais pop e romântica com ‘Love Me Like You Do’, cantada pela britânica Ellie Goulding, acostumada com trilhas sonoras de franquias como Divergente e Jogos Vorazes.

Outros destaques da trilha sonora de Cinquenta Tons de Cinza estão em Sia, que dá toques de folk em ‘Salted Wound’, a banda Awolnation, com cover da canção de Bruce Springsteen, ‘I’m On Fire’, Frank Sinatra dando classe com ‘Witchcraft’ e para encerrar, duas faixas instrumentais compostas pelo colaborador fiel de Tim Burton, Danny Elfman.

Você pode escutar a trilha sonora de Cinquenta Tons de Cinza pela playlist do Spotify abaixo e, se preferir fazer o download, clique aqui.

Anúncios

Oscar 2015: comentando as cinco canções indicadas

oscars-song

Confesso que em alguns anos, andei desanimada com a categoria Canção Original do Oscar. É uma categoria que gosto muito por apresentar letras que podem causar identificação popular e correr um bom risco de virar clássico musical. Para ficar nos exemplos: Over the Rainbow (O Mágico de Oz), Moon River (Bonequinha de Luxo), Flashdance… What a Feeling (Flashdance), Take My Breath Away (Top Gun – Ases Indomáveis), Streets of Philadelphia (Filadélfia), Can You Feel the Love Tonight (O Rei Leão), My Heart Will Go On (Titanic), Falling Slowly (Apenas Uma Vez) e, recentemente, Let It Go (Frozen – Uma Aventura Congelante).

Mas houve um tempo que a Academia tratou a categoria com certa preguiça. Alguns anos, foram dois indicados ao invés de cinco, ameaça de abolir a categoria, apresentações musicais canceladas e até mesmo desclassificação por razões de publicidade interna.

Em 2015, a AMPAS repete o feito do ano anterior e capricha numa lista que já estão apelidando de “prêmio de consolação”. Nela, temos filmes como Selma e Uma Aventura Lego, dois dos maiores esnobados da lista final: um foi indicado para fazer média e o outro era franco favorito à melhor filme de animação, mas não recebeu nem menção.

‘Everything is Awsome’ (letra e música de Shawn Patterson) – Uma Aventura Lego

“Everything is awesome
Everything is cool when your part of a team
Everything is awesome
When you’re living out a dream”

‘Everything is Awsome’ é a música mais “animada” da lista. Do filme Uma Aventura Lego, ela possui um papel importante dentro do filme, como um recado de que tudo está incrível. Composta por Shawn Patterson (mais famoso pela trilha do desenho para maiores Frango Robô), a contagiante canção também foi indicada ao Grammy.

‘Glory’ (letra e música de John Stephens e Lonnie Lynn) – Selma

“One day when the glory comes
It will be ours, it will be ours
One day when the war is won
We will be sure, we will be sure
Oh glory”

Talvez você não reconheça os compositores acima, mas, na verdade, são os nomes do cantor John Legend e do rapper Common. ‘Glory’ é um hino de protesto em busca da igualdade de raças nos anos 1960, o grande plot do filme Selma, que conta a luta do líder Martin Luther King. Apontada como favorita ao Oscar, já venceu o Globo de Ouro e o Critic’s Choice.

‘Grateful’ (letra e música de Diane Warren) – Além das Luzes

“There is nothing I would change
That even one mistake I made
I got lost, found myself, found my way”

‘Grateful’ é, simplesmente, uma canção de agradecimento, sobre dificuldades e volta por cima. Um prato cheio para votantes que gostam de uma bela mensagem. Esta é a sétima indicação de Diane Warren, autora de canções para filmes como Armageddon (‘I Don’t Want To Miss A Thing‘).

‘I’m Not Gonna Miss You (letra e música de Glen Campbell e Julian Raymond) – Glen Campbell…I’ll Be Me

“I’m still here, but yet I’m gone
I don’t play guitar or sing my songs
They never defined who I am
The man that loves you ‘til the end”

A melhor canção da lista de 2015 é também a mais melancólica, não só por estar num documentário que mostra a turnê de despedida de Glen Campbell, mas também por ter sido escrita quando este estava no estágio inicial do Alzheimer. Uma curiosidade: Julianne Moore é favorita ao Oscar este ano justamente por uma personagem com o mesmo dilema que o astro country. É de ficar com os olhos lacrimejados.

‘Lost Stars’ (letra e música de Gregg Alexander e Danielle Brisebois) – Mesmo Se Nada Der Certo

“And, God, tell us the reason
Youth is wasted on the young
It’s hunting season and the lambs are on the run
Searching for meaning
But are we all lost stars
Trying to light up the dark”

‘Lost Stars’ é um título conveniente para seu compositor, Gregg Alexander, ex-vocalista do grupo New Radicals, do chiclete ‘You Get What You Give‘. Se sentindo uma “estrela perdida”, ele preferiu somente compor para outros cantores. Aqui, ele consegue, juntamente com Danielle Brisebois fazer uma balada gostosa e uma letra apaixonante, tanto interpretada pelo vocalista do Maroon 5, Adam Levine, quanto pela Keira Knightley, que interpreta a protagonista Gretta.

Soundtrack: Jane Eyre


Sublime é uma palavra que pode descreve a trilha sonora de Jane Eyre, novo trabalho de Dario Marianelli que merece certa atenção. Além do trabalho de composição de Marianelli, se junta à interpretação do violinista britânico Jack Liebeck em um perturbador e melancólico trabalho que consegue ficar na memória por um bom tempo.

O uso do violino aqui é triste, transportando-se ao verdadeiro drama da história, na personagem-título baseada no livro de Charlotte Brontë. Exemplos disso estão em faixas como “Wanderling Jane”, “An Insuperable Impediment” e o sentimento de agonia presente em “Jane’s Escape”.

Jane Eyre também traz combinações entre o violino e piano com “The Call Within” e “A Thorough Education” e até a leveza em “A Game of Badminton” e “Yes!”. Eis um trabalho que lembre outras produções de época, até mesmo outros trabalhos compostos pelo próprio Marianelli como Desejo e Reparação.

Jane Eyre possui uma composição que funciona em qualquer hora, todas em total sintonia, romântica, mesmo sendo triste, mas no sentido de ser bela e tocante. Pode-se considerar no hall de trabalhos notáveis do composer italiano, que já entregou vários trabalhos memoráveis, mesmo em produções pequenas. Já o filme com Mia Wasikowska e Michael Fassbender ainda não possui uma data de estréia no Brasil. Para fazer o download da trilha, clique aqui.

Soundtrack: Water for Elephants


A adaptação do best-seller Água para Elefantes, traz uma trilha sonora graduada pelo competente James Newton Howard, conhecido por scores como das versões de Christopher Nolan para Batman, em parceria com Hans Zimmer, além de produções como A Vila e King Kong.

Water for Elephants traz uma composição delicada, ao mesmo tempo que toques mágicos, lembrando um pouco o trabalho de Alexandre Desplat para O Curioso Caso de Benjamim Button. Exemplos de delicadeza estão em “Did I Miss It” e “Circus Fantasy”. Além da transição entre o romantismo com “Jacob Sees Marlena” e na agitada “The Circus Sets Up”.

De acordo com a premissa – passando-se no periodo da Crise de 1929 – as faixas “I’m Confessin’ (That I Love You)”, “Barbara’s Tent” e “Don’t Tell Him What Happened to Me”, com está música misturando música de época com os acordes do violino. Mesmo que poucas faixas como “‘I Can See Straight Through You” que precisava de um acabamento melhor, mas no resultado como um todo, é de um belíssimo trabalho, ainda mais referente a um filme de romance. Para fazer o download, clique aqui.

Soundtrack: Black Swan


Cisne Negro, a mais nova produção de Darren Aronofosky, que mescla o balé clássico com um tom sombrio marca a quinta parceria do diretor com o compositor Clint Mansell, responsável por trilhas como de Réquiem Para um Sonho e O Lutador. Aqui, Mansell teve o desafio de adaptar a composição de O Lago dos Cisnes, do russo Peter Ilyich Tchaikovsky para o contexto do filme.

Aqui, o score apresenta a delicadeza e respeito com a obra original, ao mesmo tempo que consegue criar um tom sombrio para as faixas como “A New Swan Queen”, “The Double”, “Opposites Attract” (a melhor) e “Night of Terror”, que pode ser considerado um mix de Tchaikovsky e do próprio Mansell.

Outras faixas delicadas e até na mudança no toques do piano, de acordo com o clima. Alguns outros destaques são “A Room Of Her Own”, “It’s My Time”, “A Swan Is Born” e “A Swan Song (for Nina)”, tema gótico de O Lago dos Cisnes.

Apesar de ter outros bons trabalhos no Cinema, Clint Mansell atinge aqui a sua melhor trilha, causando paixão imediata e até emoções inesperadas. Perfeita! Para fazer o download, clique aqui

Soundtrack: Never Let Me Go


O livro Não Me Abandone Jamais, escrito pelo japonês Kazuo Ishiguro (o mesmo de Os Vestígios do Dia) é celebrado como um dos melhores livros escritos em língua inglês pela revista Time e em breve, ganhará uma versão cinematográfica com direção de Mark Romanek (de Retratos de uma Obsessão, com Robin Williams) e estrelado por Carey Mulligan e Keira Knightley. A sua trilha sonora é composta pela inglesa Rachel Portman, responsável por trilhas como Chocolate, Regras da Vida e Emma, este último venceu o Oscar da categoria.

Aqui, Never Let Me Go tem tons de melancolia e delicadeza em alguns acordes, que chega a criar identificação imediata e até imaginar como funcionará dentro da película. Os destaques ficam por conta de “The Pier”, “Bumper Crop”, “The Boat”, “The Worst Thing I Ever Did”, “We All Complete” (a melhor) e até uma canção no final chamada “Never Let Me Go”.

Never Let Me Go ainda não tem previsão de estreia no Brasil, mas se quiser ficar com água na boca com a trilha, para fazer o download, clique aqui.

Trilha Sonora da Semana

Alice in Wonderland, por Danny Elfman

A trilha sonora de Alice no País das Maravilhas, versão do clássico de Lewis Carroll sob os olhos do diretor Tim Burton tem duas versões. A primeira é intitulada Almost Alice, onde tem músicas de Franz Ferdinand, 3OH!3, Tokio Hotel, Metro Station e a tão comentada canção-tema por Avril Lavigne. Mas mesmo com esses grandes nomes envolvidos, a trilha deixa muito por desejar. A segunda versão é a instrumental, composta pelo ótimo compositor Danny Elfman, parceiro habitual do diretor Burton. Mas, ao ouvirmos esta trilha, o clima lembra – e muito os trabalhos anteriores do cineasta, mas sem tirar méritos dela. Os destaques ficam por conta de “Alice’s Theme”, “Drink Me”, “Alice Reprise” (esta última existe cinco versões), “Going to Battle”, “Alice Returns”. Alice tem previsão para aportar em terras brasilis em 23 de abril. Para fazer o download da trilha, clique aqui.